Microsoft testa trabalho de 4 dias por semana no Japão e produtividade sobe 40%

Posted in Japão, Notícias with tags , on 6 de novembro de 2019 by vistoconsular

As medidas para melhorar o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal estão se espalhando entre as grandes empresas

Microsoft Japan
A Microsoft Japan realizou um teste de quatro dias de trabalho e três folgas semanais com 2.300 os funcionários no mês de agosto e constatou um aumento de 40% na produtividade nesse período, infomou a empresa na última segunda-feira (4).

“Trabalhe menos tempo, descanse bem e aprenda muito. É necessário ter um ambiente que permita ao funcionário sentir seu propósito na vida e causar um impacto maior no trabalho”, disse ao jornal Mainichi Takuya Hirano, presidente da Microsoft Japan, antes do teste com folgas às sextas-feiras, sábados e domingos.

Além disso, a empresa ofereceu apoio financeiro de até 100 mil ienes para que os funcionários aproveitassem o tempo livre com viagens em família ou desenvolvimento de novas habilidades. Os salários não serão afetados.

Para aumentar a produtividade, a Microsoft Japan pediu aos funcionários que se comuniquem com mais frequência por meio de uma ferramenta de bate-papo online, em vez de realizar reuniões e enviar e-mails.

Quando há necessidade de realizar reuniões presenciais, os funcionários foram solicitados a concluí-las em 30 minutos e limitar o número de participantes a cinco, no máximo.

Além do aumento de produtividade, a Microsoft Japan registrou queda de 20% no consumo de energia.

As medidas para melhorar o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal dos funcionários, criadas pelo governo japonês, estão se espalhando entre as grandes empresas, à medida que elas encorajam trabalhadores com ou sem compromissos familiares a reduzir horas de trabalho.

Embora seja improvável que a semana de quatro dias de trabalho se torne comum no Japão em breve, uma pesquisa recente mostrou que a grande maioria dos trabalhadores japoneses vê a ideia de maneira favorável.

Uma grande reforma trabalhista entrou em vigor em abril deste ano e o governo japonês espera que as mudanças melhorem as condições laborais em um país onde o karoshi (morte por excesso de trabalho) se tornou um grave problema.

A reforma criou novas regras, incluindo limite de horas extras e concessão de férias remuneradas, os dois itens que mais afetam diretamente os trabalhadores.
Fonte: Alternativa

Seven-Eleven Japan encerrará operações 24 horas em algumas lojas

Posted in Notícias with tags , , , , on 22 de outubro de 2019 by vistoconsular

Encerramento de operações 24 horas em alguns estabelecimentos para endereçar uma escassez de mão de obra
seven eleven
A Seven-Eleven Japan disse na segunda-feira (21) que encerrará operações 24 horas em alguns estabelecimentos, tornado-se a primeira grande operadora de rede de lojas de conveniência a reduzir o funcionamento desse tipo para endereçar uma escassez de mão de obra.

Oito lojas começarão a reduzir as horas operacionais a partir de 1º de novembro enquanto acham cada vez mais difícil encontrar pessoal para trabalhar no turno da noite.

Lojas adicionais também podem reduzir suas horas de funcionamento, reunindo cerca de 200 estabelecimentos, de um total de 21.000 a nível nacional, que estão atualmente tentando reduzir horas em caráter experimental.

“Conversaremos com donos de lojas em linha com nossas novas diretrizes. Eles tomarão uma decisão final” sobre se reduzir as horas de operação, disse o presidente da Seven-Eleven Fumihiko Nagamatsu em um comunicado de imprensa.

“Uma operação 24 horas é preferível se há necessidade por parte dos clientes. Mas algumas lojas não podem fazer isso, mesmo querendo, devido à escassez de pessoal”, disse ele.

A maior operadora de rede de lojas de conveniência do Japão em número de estabelecimentos introduziu o negócio 24 horas em 1975. As operações sem descanso também são destinadas a melhorar a eficiência ao permitir coisas como reestocar prateleiras durante o período noturno, disse.

Entretanto, a Seven-Eleven Japan decidiu tentar reduzir as horas operacionais após um dono de franqueada em Osaka ter despertado controvérsia, dizendo que reduziu as horas de funcionamento em sua loja sem ter aprovação da operada da franquia por causa de falta de pessoal.

Dentre outras grandes redes de lojas de conveniência, a FamilyMart disse que 612 lojas, ou 3,7% de total de suas franqueadas, também estão tentando reduzir as horas em caráter experimental.

Um porta-voz da FamilyMart disse que empresa decidirá se encerrará as operações 24 horas após o término desse período experimental.

A Lawson disse que cerca de 100 de suas lojas atualmente não funcionam no período noturno, já que contratos com donos de franquias não exigem que elas fiquem abertas 24 horas. Mesmo assim, para mitigar a escassez de pessoal, a empresa decidiu fechar cerca de 100 lojas no dia de Ano Novo de 2020.

A escassez de mão de obra representa uma séria ameaça a outras indústrias, incluindo restaurantes, construção e enfermagem, enquanto a população japonesa envelhece rapidamente.

A força de trabalho do Japão deve diminuir 20 por cento em 2040 a partir dos níveis de 2017 devido a um declínio populacional, mas isso poderia ser mitigado com mais mulheres e idosos se juntando ao mercado de trabalho, mostrou um estudo do governo realizado no início deste ano.

O Japão iniciou um novo sistema de visto em abril para trazer mais trabalhadores estrangeiros a fim de ajudar as indústrias que estão enfrentando dificuldades com uma grave escassez de mão de obra.
Fonte: Portal Mie com Mainichi

Toshiba Memory substituída por Kioxia

Posted in Notícias, Toshiba with tags , on 3 de outubro de 2019 by vistoconsular

Kioxia é o novo nome e marca da maior fabricante de semicondutores a qual ficou independente da Toshiba, inclusive em Mie
kioxia toshiba
A Toshiba Memory, matriz em Tóquio, deixou de ser integrante desse grupo desde junho do ano passado. Em 1.º deste mês essas placas foram extintas, cedendo lugar para o novo nome e marca, Kioxia.

Na planta da indústria em Yamano Isshiki-cho, na cidade de Yokkaichi (Mie), os prédios exibem o novo nome, tanto na entrada quanto no prédio principal.

O nome da parada de ônibus Mie Kotsu, perto do portão principal, também mudou para Kioxia seimon-mae.

A nova marca foi cunhada pela combinação de palavras japonesa e grega. Como fabricante de memória flash pegou as palavras kioku (記憶) e axia, que significa valor inimaginável. O novo nome foi de uma sugestão de um concurso realizado dentro da empresa.

Segundo a fabricante o novo logotipo será instalado em todas as unidades, inclusive de Asahi-cho (Mie).
Fonte: Portal Mie com Ise Shimbun

Toyota investirá R$ 1 bilhão no Brasil para produzir novo veículo

Posted in Notícias, produção de veículos, Toyota with tags on 20 de setembro de 2019 by vistoconsular

A empresa não deu detalhes sobre o modelo e a data de lançamento

toyota brasil
A Toyota do Brasil formalizou a intenção de investir R$ 1 bilhão em seu parque industrial de Sorocaba (SP). A unidade, inaugurada em 2012, que já produz os modelos Etios e Yaris, será responsável pela fabricação de um novo modelo no mercado brasileiro com previsão de comercialização em 2021.

A escolha de Sorocaba se deu pelo projeto inicial da unidade, que já previa a possibilidade de ampliação, além de facilidade logística dos fornecedores. Para iniciar a produção desse novo veículo, a Toyota prevê a contratação de 300 novos trabalhadores.

“O compromisso da Toyota com o desenvolvimento da indústria automotiva brasileira e com o Brasil só é possível com uma parceria forte entre os vários stakeholders da empresa. Esse anúncio de mais um investimento que fazemos no Brasil é o resultado do trabalho conjunto de nossos colaboradores, fornecedores, concessionários, sindicatos e o governo e reforça nossa visão de longo prazo no país”, disse Masahiro Inoue, CEO da Toyota para a América Latina e Caribe e chairman da Toyota do Brasil.

Detalhes sobre qual será o novo veículo, motorização e data exata de lançamento serão comunicados posteriormente.

“Este anúncio de mais um investimento representa uma Toyota mais forte no Brasil. Durante essa década, que significou tempos desafiadores para a economia e o setor automotivo, a Toyota permaneceu fiel ao seu compromisso de buscar o sorriso de seus clientes, crescendo de forma sustentável, buscando maior competitividade nos negócios e, fundamentalmente, contribuindo para o desenvolvimento das sociedades onde está inserida”, ressaltou Rafael Chang, presidente da Toyota do Brasil.

Sete anos em Sorocaba
Em agosto, a Toyota celebrou sete anos de sua fábrica de Sorocaba, a terceira unidade produtiva aberta no país. Fruto de um investimento inicial de US$ 600 milhões, a unidade é um marco nas operações da fabricante de veículos no Brasil, pois reúne atributos das plantas mais modernas da Toyota em todo o mundo.

Nesta curta história, a unidade da Toyota, que foi inaugurada para produzir 74 mil veículos por ano, recebeu investimentos adicionais de R$ 1 bilhão em janeiro de 2015 e hoje possui capacidade para fabricar 108 mil unidades anualmente.

Indiretamente, a planta de Sorocaba induziu novos investimentos no Brasil, seja da própria marca ou de fornecedores. O parque de fornecedores localizado ao lado do terreno da unidade abriga 11 empresas.

A Toyota, como resultado da boa performance de Sorocaba, decidiu construir sua planta de motores em Porto Feliz (SP), com investimento de R$ 580 milhões. Essa planta produz os motores 1.3 e 1.5 litro, VVT-i, que equipam o Etios e o Yaris e, desde o mês passado, também produz o novo motor 2.0L Dynamic Force que equipa o Novo Corolla 2020.

Esse novo anúncio é mais um na extensa lista de investimentos realizados pela montadora no Brasil. Com ele, a Toyota terá realizado nesta década um total de R$ 6,68 bilhões de investimentos no país.

Desde 2012, a empresa investiu na construção de duas fábricas – Sorocaba e Porto Feliz.

A Toyota também já ampliou essas duas unidades fabris, renovou sua unidade de São Bernardo do Campo, a primeira fora do Japão em todo o mundo, modernizou a fábrica de Indaiatuba (SP) e construiu um Centro de Distribuição em Suape (PE). Além disso, modernizou a unidade fabril de Indaiatuba para começar a produzir a 12ª segunda geração do Corolla, com significativa atualização tecnológica.
Fonte: Alternativa

Toyota paralisa fábricas no sudoeste do Japão por causa de inundações

Posted in Fábrica no Japão, Notícias with tags , , , , , , , , on 28 de agosto de 2019 by vistoconsular

A Agência Meteorológica emitiu alerta máximo para fortes chuvas

fortes chuvas.jpg
A Toyota Motor anunciou nesta quarta-feira (28) que vai paralisar duas fábricas na cidade de Miyawaka (Fukuoka) por causa das fortes chuvas que causaram inundações em várias partes da região Kyushu, no sudoeste do Japão.

A produção será suspensa a partir das 16h desta quarta-feira até a manhã de quinta em uma unidade que monta carros da linha Lexus e em uma fábrica de motores.

A Toyota vai decidir ainda nesta quarta-feira como ficará a produção a partir do turno diurno de quinta-feira, de acordo com a situação das chuvas.

A Daihatsu Motor também disse que iria interromper a produção nas fábricas da região.

A Agência Meteorológica do Japão emitiu nesta quarta-feira alerta máximo para fortes chuvas nas províncias de Saga, Fukuoka e Nagasaki, segundo a emissora NHK.

A alerta de nível 5, o mais alto da escala, indica que os moradores das áreas afetadas correm risco de vida e precisam buscar abrigo e proteção de forma urgente.
Fonte: Alternativa com Reuters

Produção das fábricas contrai pelo sétimo mês no Japão

Posted in Japão, Notícias with tags , on 1 de agosto de 2019 by vistoconsular

As empresas reduziram os estoques e as compras de insumos para manter os custos, segundo uma pesquisa

produção fábricas
A produção das fábricas contraiu pelo sétimo mês e caiu no ritmo mais rápido em quatro meses, sugerindo que a redução está atingindo a economia japonesa, dependente de exportação, segundo um relatório.

“Os indicadores prospectivos da pesquisa sugerem que os fabricantes no Japão estão preparados para outro trimestre difícil, já que as empresas reduziram os estoques e as compras de insumos para manter os custos”, disse Joe Hayes, economista da IHS Markit, que compila a pesquisa.

O enfraquecimento da leitura de julho se ajusta aos números oficiais, como a produção industrial e as exportações, mostrando que a economia está sentindo o aperto do impasse comercial entre os EUA e a China e a demanda enfraquecendo globalmente.

Itens individuais no relatório enfatizaram ainda mais as perspectivas sombrias para o Japão, a terceira maior economia do mundo.

O total de novos pedidos e as novas encomendas de exportação mostraram novamente retração, embora a um ritmo reduzido em comparação com junho.

Os níveis de compras das empresas estavam no menor nível em três anos devido ao enfraquecimento dos requisitos de produção e aos volumes de estoque já suficientes.

“Mais sinais de que a desaceleração da indústria tornou-se profundamente enraizada ficou evidente nos dados de preços”, disse Hayes, da IHS Markit.

“Os custos de produção foram reduzidos no ritmo mais rápido em quase três anos, em meio a esforços crescentes para estimular a demanda lenta”, acrescentou.
Fonte: Alternativa com Reuters

Setor de transporte marítimo paga salário de ¥470 mil, mas não atrai jovens no Japão

Posted in Japão, Notícias with tags , , on 25 de julho de 2019 by vistoconsular

Mais da metade dos trabalhadores dessa área tem mais de 50 anos
transporte marítimo japao
O setor de transporte marítimo de carga está passando por um grave problema de falta de mão de obra no Japão, segundo uma reportagem da emissora NHK.

Apesar do salário médio de ¥470 mil, as empresas do setor não estão conseguindo contratar jovens. E quando aparecem trabalhadores novos, muitos deles desistem nos primeiros meses.

Mais da metade dos trabalhadores do setor tem mais de 50 anos, segundo a NHK. O tipo de função pode variar de acordo com a experiência e os cursos feitos pelos candidatos, mas de uma forma geral o trabalho é pesado.

O principal motivo para a falta de mão de obra pode estar no sistema de trabalho. Os funcionários das empresas de transporte marítimo normalmente ficam três meses dentro de um navio e depois descansam um mês.

Eles trabalham cerca de 14 horas por dia e não podem reclamar do excesso de carga horária porque o setor não precisa obedecer as normas trabalhistas impostas pelo governo. Há uma lei específica que dita as regras, chamada Senin-hou (船員法), ou Lei para Tripulantes de Navios.

Um trabalhador com idade na faixa dos 40 anos disse à NHK que foi atraído pelo salário e pela possibilidade de promoção corforme for adquirindo experiência e técnica.

Um homem de aproximadamente 50 anos que atua no setor reclamou do estresse, que é sentido principalmente quando o fim do trabalho é prorrogado e o descanso de um mês diminui.

O transporte marítimo é um importante setor no Japão e só perde para os caminhões em volume de carga.
Fonte: Alternativa

%d blogueiros gostam disto: