Archive for the Fábrica no Japão Category

Produção aumenta em fábricas no Japão

Posted in economia do Japão, Fábrica no Japão, Japão, Notícias with tags , on 28 de dezembro de 2016 by vistoconsular

Produção das fábricas japonesas aumentaram e o cenário é de otimismo para os próximos meses

producao-no-japao

A produção em fábricas no Japão aumentou 1.5% em novembro em relação ao mês anterior, impulsionada pela demanda por partes eletrônicas e autopeças, mostraram dados do governo na quarta-feira (29).

O índice de produção em fábricas e minas situou-se a 99.9 contra a base de 100 em 2010, de acordo com um relatório preliminar do Ministério da Economia, Comércio e Indústria.

As empresas esperam elevar ainda mais o índice produtivo nos próximos meses, destacando a perspectiva do banco central de que uma melhoria na demanda global pode sustentar uma contínua recuperação econômica.

Segundo previsões de fabricantes entrevistadas pelo ministério, a produção poderá ter um aumento de 2.0% em dezembro e de 2.2% em janeiro, um sinal de que as indústrias do Japão estão mais otimistas em relação ao panorama da demanda do exterior.

A economia japonesa registrou um terceiro trimestre consecutivo de expansão anual no período de julho a setembro, ainda que em um modesto ritmo, enquanto o fraco crescimento salarial pesou nos gastos do consumidor.

Entretanto, as exportações e produção em fábricas mostraram sinais de vida recentemente em uma recuperação na demanda global, oferecendo alguma esperança para os elaboradores de políticas que estão se esforçando para tirar a economia da estagnação.

O Banco do Japão apresentou uma visão otimista da economia em seu índice de revisão na semana passada, enquanto o governo melhorou sua avaliação da economia em dezembro, pela primeira vez em cerca de 2 anos.
Fonte: Portal Mie com Nikkei

Mais horas extras: Honda aumenta produção do S660 na fábrica de Mie para atender demanda

Posted in Fábrica no Japão, Honda, Mie with tags , on 27 de maio de 2015 by vistoconsular

honda s660A fabricante de veículos Honda colocou o modelo S660 à venda em abril e o tempo de espera do cliente para recebê-lo chega a 6 meses.

A indústria que monta esse veículo é a Yachiyo, situada na cidade de Yokkaichi (Mie), a qual mostrou sua linha de produção na terça-feira (26) para o jornal Asahi Shimbun.

Apesar de ter aumentado em 20% o volume de produção do dia, com horas extras, a fábrica expede 48 unidades por dia. Hiroshi Sasamoto, presidente da companhia que é uma subsidiária da Honda, afirma que “não é só aumentar a produção de uma vez, é preciso produzir um bom carro, isso é mais importante”, se referindo ao S660.

Um carro como o S660, que tem o peso do hobby de quem o adquire, não é um modelo que tenha venda estável, por isso, a marca precisa conter os investimentos na sua produção. Na fábrica, robôs fazem trabalhos de soldagem e trabalhos manuais, sem investimentos de altíssima escala. A linha de produção desse veículo é também a mesma de camionete do tipo kei e vans.

honda yachiyo mie

“A tecnologia para a produção de poucos modelos, como essa, poderá ser usada no futuro em mercados com vendas pequenas como da África, onde se pode montar uma linha de produção pequena”, segundo Sasamoto.

Depois do Lehman Shock, em janeiro de 2012, a indústria chegou a recrutar aposentadoria espontânea para reduzir o quadro de pessoal. Passada a crise, a indústria declara que quer proteger seus recursos humanos para que possa continuar produzindo veículos que só a Yachiyo consegue, junto com a Honda.
Fonte: IPC Digital

Japão: fábricas abusam de horas extras

Posted in Fábrica no Japão, trabalho no japao with tags , on 22 de novembro de 2013 by vistoconsular

Isso é resultado de uma investigação feita pelas delegacias de Inspeção de Normas Trabalhistas de todo o país

Lei de Normas Trabalhistas no JapãoUma investigação feita pelas delegacias de Inspeção de Normas Trabalhistas de todo o Japão revelou que 64 por cento das fábricas vistoriadas dão aos funcionários mais horas extras que a lei permite. Algumas empresas obrigam os funcionários a cumprirem mais de 80 horas extras por mês, informou a emissora NHK nesta sexta-feira.

Pela lei, um funcionário não pode fazer mais do que 45 horas extras por mês, apesar de existirem exceções para casos de um aumento anormal ou repentino na produção. Mas a delegacia de inspeção considera 80 horas como limite para a ocorrência de problemas de saúde por excesso de trabalho, incluindo mortes.

Das 399 fábricas inspecionadas no último ano fiscal, 255 (ou 64 por cento) cometeram infrações ao oferecer aos funcionários excesso de horas extras. Muitas delas nem tinham autorização da Delegacia de Inspeção de Normas Trabalhistas para funcionar além do expediente normal.

Em 48 fábricas, o número de horas extras por mês passava de 80. Segundo a autoridade trabalhista, isso não é ilegal desde que a empresa apresente um motivo justificável, mas a jornada longa é prejudicial à saúde, tanto fisicamente quanto psicologicamente.

Em 2011, a Delegacia de Inspeção de Normas Trabalhistas reconheceu pela primeira vez um caso de morte de estrangeiro por excesso de trabalho. Trata-se de um estagiário técnico chinês que sofreu uma parada cardíaca em junho de 2008, quando tinha 31 anos.

Segundo a Delegacia de Inspeção de Normas Trabalhistas de Kashima (Ibaraki), o chinês teria feito mais de 100 horas extras por mês na fábrica de metais Fuji Denka, em Itako, na mesma província.

O advogado da família do chinês, Shoichi Ibusuki, disse na época que os estagiários estrangeiros costumam ser submetidos a condições de trabalho cruéis e que o caso do chinês é apenas a ponta de um iceberg. "O primeiro reconhecimento de uma autoridade veio muito tarde", afirmou.

O número excessivo de horas extras foi levantado pela delegacia com base nos telefonemas da vítima e no horário de compra das refeições à noite. A esposa do chinês está recebendo pensão e outros benefícios do governo japonês.

Por infringir a Lei de Normas Trabalhistas (excesso de horas extras e falta de pagamento de adicionais), o Tribunal Sumário de Aso (Ibaraki) ordenou que a fábrica e o seu presidente pagassem uma multa de ¥500 mil cada.
Fonte: Alternativa

Por reestruturação, Sony reduzirá 2 mil postos de trabalho

Posted in Fábrica no Japão, Sony with tags , on 22 de outubro de 2012 by vistoconsular

Medida faz parte de um corte global de 10 mil funcionários. Fábrica de Gifu será fechada

Sony JapanA Sony, multinacional do setor de eletrônicos, planeja reduzir 2 mil empregos no Japão através de reformas antecipadas para este ano fiscal, que termina em março de 2013, como parte de uma reestruturação anunciada em abril e que contempla um corte global de 10 mil postos de trabalho.

Em um comunicado, a companhia japonesa explicou que o programa de reforma antecipada se aplicará a Sony Corporation, Sony EMCS e outras subsidiárias no Japão, além de sua sede em Tóquio, onde o final deste ano espera-se reduzir o número de funcionários em 20%.

Também foi anunciado que no final de março de 2013 será fechada uma fábrica da Sony EMCS, em Gifu, cujas operações de fabricação de lentes ópticas e serviços móveis serão transferidas para duas outras instalações no arquipélago japonês.

Estes movimentos são parte do plano anunciado na primavera de reduzir cerca de 10 mil postos de trabalho neste ano (cerca de 6% de sua força de trabalho), dos quais entre 3 mil e 4 mil serão cortados no Japão.

Além disso, a nova estratégia de negócios Sony pretende reforçar a divisão de eletrônicos para dar novo rumo para o grupo e deixar para trás quatro anos consecutivos de perdas. Como parte da mesma reestruturação, no mês passado, a empresa japonesa concluiu a venda de sua divisão de produtos químicos ao Banco de Desenvolvimento do Japão (JDB, sigla em Inglês), que representou uma redução de 1.800 postos de trabalho em seu plantel.
Fonte: IPC Digital com Efe

Algumas companhias japonesas levam de volta sua produção para o Japão

Posted in Fábrica no Japão with tags on 26 de abril de 2012 by vistoconsular

Rápido crescimento dos salários na China impulsiona o retorno

O rápido crescimento dos salários na China fez com que algumas fabricantes japonesas levassem sua produção de volta ao Japão, revelou o diário Nikkei. Essa tendência é mais notória na indústria de computadores pessoais.

Por exemplo, a Hewlett-Packard Japan transferiu de volta sua produção de notebooks da China para o Japão. E atualmente produz cerca de 90% de seus computadores no arquipélago. A companhia pretende manter a produção de modelos de baixo custo na China.

work japan
Já a FDK começará a fazer ferrite no Japão outra vez depois de ter transferido toda sua produção de material magnético para a cidade chinesa de Nankín, em 2004. Para junho está programado o início das atividades de sua nova fábrica em Yamaguchi que enfocará a produção de ferrite de alto rendimento para uso em veículos elétricos.

A renda média anual nas cidades chinesas quase duplicou de 18.200 yuans (cerca de 230 mil ienes) em 2005 para 36.539 yuans em 2010, detalhou o jornal. Espera-se que a tendência crescente seja mantida, pois o governo chinês pretende aumentar o salário mínimo em 13% por ano até 2015.
Fonte: IPC Digital