Arquivo para fábricas no Japão

Produção industrial do Japão em junho aumenta pela 1ª vez em 5 meses

Posted in economia do Japão, Japão, Produção industrial do Japão with tags , , , , on 31 de julho de 2020 by vistoconsular

A atividade econômica que havia paralisado em meio a pandemia de Covid-19 começou a entrar no ritmo, mostraram dados do governo em 31 de julho

produção industrial do Japão2
A produção industrial do Japão aumentou pela primeira vez em 5 meses no mês de junho, enquanto a atividade econômica que havia paralisado em meio a pandemia de coronavírus começou a entrar no ritmo, mostraram dados do governo nesta sexta-feira (31).

O índex de produção ajustado sazonalmente em fábricas e minas subiu 2,7% ante o mês anterior para 80.3 contra a base de 100 de 2015, disse o Ministério da Economia, Comércio e Indústria em um relatório preliminar.

A recuperação levou o ministério a dizer que a produção industrial “atingiu o ponto mais baixo” e mostra sinais de “crescimento”, uma atualização de “diminuindo rapidamente” em abril e maio.

A produção de montadoras se recuperou porque alguns mercados no exterior que haviam se debilitado sob medidas de lockdown começaram a reabrir e interrupções nas redes de fornecimento foram resolvidas. No Japão, a suspensão do estado de emergência nacional no fim de maio trouxe os consumidores de volta aos showrooms.

“Algumas fábricas ainda estão operando em capacidade limitada, mas muitas estão agora estão de volta ao normal”, disse um oficial do ministério.

Fabricantes de máquinas como escavadoras e aquelas usadas para fazer telas também registraram aumento de produção, enquanto a de químicos e de papel diminui.

Baseado em uma pesquisa com fabricantes, a previsão de aumento de produção industrial seria de 11,3% em julho e de 3,4% em agosto.

Contudo, um recente aumento nos casos de coronavírus no Japão, principalmente em centros urbanos como Tóquio e Osaka, dificulta previsões detalhadas, disse o oficial do ministério.

A administração do primeiro-ministro Shinzo Abe disse que não pedirá um outro estado de emergência, visto que ela busca balanço ao controlar a pandemia com a introdução da economia em um caminho de recuperação.

“Mas se novas infecções continuarem a aumentar, pode ser necessário trazer de volta restrições sobre atividade econômica”, disse Takeshi Minami, economista chefe no Instituto de Pesquisa Norinchukin.
Fonte: Portal Mie com Japan Times

Japão pede apoio das empresas para liberar trabalhadores com febre

Posted in governo japonês, Notícias with tags , , , on 26 de fevereiro de 2020 by vistoconsular

Quem tiver sintomas leves de gripe deve ficar descansando em casa

trabalhadores com febre
O Japão pediu colaboração das empresas para dispensar funcionários com febre e outros sintomas de gripe, ao anunciar novas medidas para tentar impedir a propagação do coronavírus no país.

Segundo esses critérios, divulgados na terça-feira (25), quem tiver sintomas leves deve ficar descansando em casa, mesmo que não haja suspeita inicial de infecção pelo novo vírus (covid-19).

Muitas empresas, principalmente as que têm fábricas, evitam fazer dispensas por causa de uma simples febre porque a redução no quadro de funcionários pode afetar a produção, e quem trabalha por hora não quer folgar para não receber um salário menor.

O governo japonês também pediu às empresas para, na medida do possível, deixar os funcionários trabalharem em casa ou criar horários de expediente alternativos como forma de evitar contágios no ambiente de trabalho e nos transportes públicos.

Em vez de tentar conter a doença, as autoridades estão tentando retardar sua expansão e minimizar as mortes. O trabalho em casa reduziria o risco de infecção de pessoas reunidas em um só lugar.

A Dentsu, maior agência de publicidade do Japão, disse a todos os 5.000 funcionários da sua sede em Tóquio para trabalhar em casa a partir desta quarta-feira, depois de confirmar que um de seus funcionários testou positivo para o vírus.

O governo também se comprometeu a adotar medidas mais fortes para combater o contágio em regiões onde há pequenos focos, principalmente em Hokkaido.

A nova estratégia do governo foi elaborada pelo ministro da Saúde, Katsunobu Kato, juntamente com um painel de especialistas médicos. Se a infecção se espalhar rapidamente, o sistema de saúde poderá ficar sobrecarregado e a economia prejudicada, escreveu o painel no site do Ministério da Saúde.

“Estamos entrando em uma nova fase. É por isso que é um momento muito crítico agora”, disse Shigeru Omi, membro do painel e presidente da Organização de Saúde Comunitária do Japão. “As próximas semanas serão muito cruciais.”
Fonte: Alternativa com Reuters

“Japão já está em leve recessão”, alerta ex-presidente do banco central

Posted in economia do Japão, Notícias with tags , on 20 de dezembro de 2019 by vistoconsular

A forte figura do PIB contradiz outros dados que mostram uma imagem mais fraca da economia

presidente do Banco do JapãoA economia do Japão pode já estar em recessão e se recuperará apenas modestamente no próximo ano, forçando o banco central a manter seu enorme estímulo apesar dos custos crescentes, disse o ex-presidente do Banco do Japão, Hideo Hayakawa, na última quarta-feira (18).

“Está claro que o Japão já entrou em recessão leve”, afirmou Hayakawa. “A economia se recuperará em algum momento no primeiro semestre do próximo ano, mas de uma maneira tão pequena que poucos devem sentir.”

Dada sua munição, o BOJ deve adiar a expansão dos estímulos, a menos que um choque externo ou de mercado cause um golpe mais severo à economia, disse Hayakawa, que mantém contato próximo com os responsáveis ​​pelas políticas do banco central.

A estagnação econômica prolongada, no entanto, também impedirá o banco central de normalizar as políticas em modo de crise em breve, disse ele.

“Com a inflação muito distante da meta de 2%, o BOJ não poderá voltar atrás em breve”, disse Hayakawa.

“O melhor que provavelmente pode fazer é normalizar furtivamente” ou continuar diminuindo as compras de ativos, disse ele à Reuters.

O BOJ manteve as políticas estáveis ​​na quinta-feira, com sinais de progresso nas negociações comerciais EUA-China, que pressionam o banco central a usar seu kit de ferramentas de políticas esgotado.

A economia do Japão cresceu 1,8% em termos anualizados no terceiro trimestre, marcando o quarto período consecutivo de expansão, mostraram dados do Produto Interno Bruto (PIB).

Mas a forte figura do PIB contradiz outros dados que mostram uma imagem mais fraca da economia, como queda nas exportações e na produção atribuída à lenta demanda global, disse Hayakawa, agora economista sênior do Instituto de Pesquisa Fujitsu.

Enquanto a economia do Japão deve se recuperar no próximo ano, qualquer retomada será modesta, já que as incertezas no exterior e o lento crescimento dos salários pesam nas exportações e no consumo, disse ele.

É improvável que as despesas de capital fortaleçam tanto quanto muitas empresas já passaram anos aumentando os gastos, acrescentou.

Enquanto os Estados Unidos e a China avançam no sentido de desacelerar sua amarga guerra comercial, a queda na atividade de manufatura global já afetou a economia do Japão, a terceira maior do mundo.

A produção das fábricas registrou sua maior queda em dois anos em outubro e o sentimento comercial dos grandes fabricantes caiu para o pior nível em quase sete anos no quarto trimestre. As exportações também caíram pelo 12º mês consecutivo em novembro.

Muitos analistas esperam que a economia se contraia no trimestre atual, porque o aumento do imposto sobre vendas que vigorou em outubro deve esfriar o consumo.
Fonte: Alternativa com Reuters

Mazda e Daihatsu paralisam atividades em fábricas por conta das fortes chuvas

Posted in Japão, Notícias with tags , , , , on 9 de julho de 2018 by vistoconsular

Fábricas de grandes montadoras de automóveis estão paralisando a sua produção no oeste do Japão devido à influência das fortes chuvas

mazda

As montadoras Mazda e Daihatsu anunciaram a paralisação da produção em fábricas no oeste do Japão nos dias 9 e 10 de julho. A Mazda manterá fechada a sua sede em Fuchu (Hiroshima) e a unidade de Hofu (Yamaguchi) em decorrência do clima instável na região.

A decisão da marca já havia sido tomada no dia 7 de julho, quando as operações foram interrompidas por conta das dificuldades de transporte e dos problemas de logística, que impediam a chegada de matérias-primas para a fábrica. A Mazda não confirmou se as operações voltarão ou se manterão inativas após o dia 10.

Já a Daihatsu foi mais longe e não acionará as máquinas de produção em sua sede localizada em Ikeda (Osaka), além de três outras fábricas localizadas em Shiga, Kyoto e Kyushu. A empresa informou que não houve danos materiais e humanos em decorrência das chuvas, mas que a situação caótica no resto do país afeta os planos da empresa, sobretudo, do ponto de vista logístico.

Espera-se que a Daihatsu também fique paralisada no dia 10, porém a empresa decidiu reunir os seus diretores para tomar uma decisão final, que sai agora a noite (09/07).
Fonte: IPC Digital com Jiji.com

Produção industrial diminuiu 4% em setembro

Posted in Produção industrial do Japão with tags on 28 de outubro de 2011 by vistoconsular

Apesar da queda, pesquisa prevê recuperação para os próximos meses

producao_industrial
A produção industrial do Japão reduziu 4% em setembro em relação ao mês anterior. Foi a primeira queda em seis meses, informou o Governo. Os dados indicam que a produção industrial da terceira economia mundial perdeu forças após seis meses de contínua recuperação depois do terremoto e tsunami de março, que afetaram seriamente as fábricas do nordeste do Japão e a cadeira de abastecimento.

Sobre o mesmo mês de 2010, a produção também caiu em 4%, conforme dados preliminares do Ministério da Economia, Comércio e Indústria.

A produção nas fábricas e minas japonesas no mês passado ficou em 89,9 pontos em relação à base de 100 estabelecida em 2005. Apesar da desaceleração do ritmo das fábricas em setembro, segundo pesquisa realizada pelo Governo entre os fabricantes, é prevista uma recuperação da produção nos próximos meses, com aumento de 2,3% em outubro e 1,8% em novembro.

Todas as indústrias contribuíram para a queda em setembro, lideradas pelo setor de equipamentos de transportes, máquinas em geral e eletrônicas, enquanto que por produtos o declínio enfatizado foi o de veículos de passageiros, semicondutores e produtos de maquinaria e telefones celulares.
Fonte: IPC Digital com EFE

%d blogueiros gostam disto: